Segunda, 21 de maio de 2018

Futebol

Opinião: a pesada lupa da honestidade sobre Rodrigo Caio

sergio Lopes

Publicidade

Hugo

Bastou a primeira falha de Rodrigo Caio para o louvável gesto do jogador no jogo contra o Corinthians, na semana passada, virar muleta de uma crítica rasa. "O zagueiro de condomínio praticou o fair play e deu um gol ao Cruzeiro", dizem os haters das redes (anti)sociais. Tão injusto quanto basear toda a análise técnica do defensor de seleção brasileira em um só jogo é associar seus erros à nobre atitude de livrar Jô de um amarelo equivocado.
É bom recapitular: era um clássico com o Corinthians, no Morumbi, em uma semifinal de Paulistão, com placar parcial de derrota do São Paulo por 1 a 0. Contexto que engrandece o corajoso e admirável ato de fazer o certo. Condenado no vestiário durante o intervalo por Rogério Ceni, àquela altura irritado com o segundo gol corintiano marcado aos 47 minutos e contrariado pelo cancelamento do cartão que suspenderia Jô da semifinal deste domingo.
Pois bem. Rodrigo Caio reencontrará o rival na Arena Corinthians, onde deveria ser reverenciado. Apoio, inclusive, que poderia ser puxado pelo próprio Jô. O ônus da atitude nobre, no entanto, será uma pesada lupa da honestidade sobre o zagueiro. Não haverá movimento impune.

Imaginemos os seguintes cenários no clássico. Um equívoco técnico, como o diante do Cruzeiro. Uma possível omissão em determinado lance no qual não tome atitude similar à do primeiro Majestoso. A participação positiva do próprio Jô em uma eventual classificação corintiana. Não importa.

Tudo será analisado com lupa. Tudo à espera de um motivo para cravar na testa de Rodrigo o rótulo de “jogador fair play” de forma pejorativa. Injustamente. É um ser humano e tem o direito de errar. Nada disso, ressalte-se, diminuirá o tamanho do gesto da primeira semifinal.

 

Rodrigo poderia ter se calado como tantos outros. Não estaria errado. Mas decidiu em fração de segundos tomar a atitude que tomou. "Tem a ver com sua índole", definiu o atacante Morato, cuja estreia ousada diante do Cruzeiro surpreendeu positivamente a torcida tricolor.

Não era uma obrigação e ele decidiu por escolha própria, como disse o economista e sociólogo Eduardo Giannetti, em entrevista para a TV Globo. “Agir com os demais, assim como nós esperamos que os outros ajam em relação a nós. É uma regra de ouro. Da boa vida, da boa sociedade”, disse, em determinado momento da conversa.

Pergunto: quem não gostaria de ter uma punição equivocada contra seu time cancelada por um aviso de um adversário?

Rodrigo remou contra a maré do manual de regras boleiras não escritas em lugar algum e seguidas como cartilha pela maioria. Levar vantagem é uma das premissas. Não se pode crucificar quem por consciência bate de frente com o comportamento no "mundo do futebol", para alguns um planeta à parte, para outros um reflexo da sociedade.

Deveríamos, como este que vos escreve, refletir sobre se teríamos a grandeza de tomar a mesma atitude. Se concluirmos que não seríamos capazes de repetir o gesto, poderíamos trocar a crítica por mais elogios a quem de fato merece ser exaltado. Independentemente do que você faria, agradecer ao são-paulino por ajudar a levantar um debate desse tamanho é necessário.

Parabéns e obrigado, Rodrigo Caio.

Fonte(s)

globoesporte.globo.com / Marcelo Hazan
  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Google Plus
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no WhatsApp

Publicidade

Hugo

Veja também

Marcinho e Morato são apresentados no São Paulo:
21 Mai

Marcinho e Morato são apresentados no São Paulo: "Não faltarão oportunidades"

Atacantes foram contratados após boa campanha no Paulistão. Cedidos por Ituano e São Bernardo, jogadores querem...

Corinthians faz homenagem no Dia do Goleiro; jogadores ganham presentes
21 Mai

Corinthians faz homenagem no Dia do Goleiro; jogadores ganham presentes

Cássio, Walter, Caíque e Matheus Vidotto são lembrados ao lado do preparador Mauri Lima nesta quarta-feira. Clube...

Ex-craque uruguaio, Francescoli revela que tentou levar Guerrero para o River:
20 Mai

Ex-craque uruguaio, Francescoli revela que tentou levar Guerrero para o River:

Atacante peruano, que foi cobiçado por Boca Juniors em 2016, também esteve na mira dos dos Millonarios

Corinthians anuncia campeão brasileiro em 90 como novo observador da base
20 Mai

Corinthians anuncia campeão brasileiro em 90 como novo observador da base

Márcio Bittencourt assume função de captar novos jogadores para o Timão

MAIS NOTÍCIAS

Publicidade

Parceiro
Nome do anunciante
Parceiro
Nome do anunciante
Parceiro
Nome do anunciante